Até casamenteira de sucesso tem dificuldade para encontrar "par perfeito" de clientes


Casamento à Indiana, nova série da Netflix, mostra a rotina de trabalho da casamenteira mais famosa da do país.



A série já começa com a mãe escolhendo uma pretendente para o filho, sentado passivamente ao lado dela. “Não pode ter menos de 1,60 m de altura”. Bom, eu já estaria fora de um dos padrões exigidos pela sogra porque tenho 1,58m. E se você pensa no termo "casamento arranjado", logo nas primeiras cenas a produção explica que na Índia não existe isso mas sim o “casamento” e o “casamento por amor”. Hummm…entendi. 

Casamento à Indiana mostra o cotidiano de Sima Taparia, a casamenteira mais famosa da Índia, e como ela faz para achar o par perfeito para seus clientes. Há sempre uma ficha bem descritiva de todos os pretendentes mas isso não impede do encontro real-oficial ser um fiasco, como mostra nos capítulos. As famílias são sempre entrevistadas e Sima conhece a casa de todos e também o estilo de vida para, assim, entender um pouco melhor o que o cliente quer. Ela trabalha com pessoas de ascendência indiana mas não que, necessariamente, morem no país de origem. Na primeira temporada, por exemplo, há exemplos em Mumbai, Houston e New Jersey. Num primeiro momento o trabalho de Sima pode até parecer como a de um aplicativo de relacionamento mas há dois diferenciais: é ela quem busca por você e faz o “match” teoricamente mais adequado ao seu perfil, além de todos os seus clientes estarem interessados realmente em se casar. Sima, que tem o perfil de mãezona-acolhedora, recorre até a um oráculo, um tipo de astrólogo que também faz leitura facial. Assim que ela mostra as fotos: “Ah, essa precisa de alguém submisso a ela pra dar certo… Esse vai casar dentro de um ano”, diz o guru. Não importa a cultura ou religião, os oráculos sempre estão presentes quando o assunto é amor. Até para os profissionais do casamento, não é mesmo?

O que eu achei muito interessante é que todos os clientes têm altíssimas expectativas em relação ao casamento e pretendente, mas pouco querem mudar algo de si mesmos. E Sima alerta: "casamento não é somente a aparência física ou se encaixar perfeitamente nas suas necessidades, é uma construção diária." Exato. Crescer juntos e alinhar expectativas são extremamente importantes. Um melhorar o outro é a chave para qualquer relacionamento. Por que estar com alguém que encaixa perfeitamente como um boneco nas suas necessidades sem você evoluir? Isso se chama estagnação, comodismo. E a vivência, o aprender de suas forças e fragilidades tornam um o apoio do outro. Ninguém nasce pronto, ninguém é perfeito. Os dois evoluem juntos e quando não mais evoluírem, é hora de repensar a relação.


*Texto originalmente publicado para o site da Vogue Brasil.

Encontre a Lu também nas redes sociais

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle