top of page

A difícil tarefa de terminar um relacionamento com gentileza

Atualizado: há 2 dias

Despedir-se de alguém é dolorido, mas faça isso por você e pelo outro de forma gentil.


Despedidas são dolorosas porque são lutos a serem vividos. De certa forma, é uma morte, sim, porque você reaprenderá a seguir sem aquele alguém a seu lado. Mas como fazer isso de uma forma dolorosa, sim, mas com menos conflitos e com uma grande dose de respeito? A tarefa não é fácil, mas sempre pode-se tentar. Vou aqui sugerir alguns tipos de comportamentos que facilitam essa trajetória de encerramento de ciclo.


Antes dê uma chance a vocês dois Abra uma conversa para você dizer como se sente. É importante a parceria saber sobre os seus sentimentos em relação ao casal. Isso pode até magoar um pouco a outra pessoa, mas é importante ela saber suas preocupações e frustrações para tentarem resolver ou amenizar em conjunto, antes de uma decisão de rompimento. Isso é importante para, caso a parceria não queira olhar para o problema, mesmo depois de exposto, não se sentir surpresa se algum dia você terminar. Ela saberá (mesmo não querendo admitir) que você fez um alerta anterior.


O local do término Em particular sempre é a melhor opção, desde que você se sinta segura com sua parceria. Se moram juntos, dê a notícia na casa de vocês para você sair após o rompimento e deixar a pessoa também elaborar o término. Se moram em casas separadas, vá até o lar da outra pessoa pelo mesmo motivo: sair na hora certa. Se a sua parceria é abusiva emocional ou fisicamente, considere fazê-lo em público, com um amigo próximo, ou mesmo por telefone ou carta dependendo da sua situação específica, priorizando a sua segurança. 


Seja prática em relação à logística

Se vocês moram juntos, já pense em 2 ou 3 possibilidades de um plano de onde ficarão e como farão essa transição. Apresente soluções para a pessoa escolher porque no momento ela estará sem chão e é importante você já ter algo definido para ela não precisar elaborar tanto. Por exemplo, se será temporariamente sob o mesmo teto em quartos diferentes, ou na casa de um amigo ou familiar, e como gostariam de dividir seus pertences.


Olhe para os seus sentimentos e os da parceria Sua parceria pode ficar muito magoada e em estado de choque e precisar de tempo e espaço para processar a notícia e como gostaria de administrar a comunicação. Você provavelmente também ficará mal, mas pense que essa decisão não foi tomada de um dia para o outro e precisará administrar essa falta. Seja forte neste momento. Por isso, é o que eu disse no primeiro item: vocês dois precisam dar chance à relação antes de colocar fim.


Avise pessoas próximas Fale com amigos próximos com antecedência para que eles possam estar presentes para apoiá-la na transição. Compartilhe a decisão com algumas pessoas cujos conselhos ou apoio você valoriza, especialmente se conversar sobre o assunto com elas lhe dará clareza. Seu sistema de apoio são as pessoas que lhe darão amor e pertencimento quando você se sentir perdida e sozinha.


Na hora do término seja direta, simples e gentil As melhores conversas sobre o rompimento transmitem razões claras pelas quais o relacionamento não está funcionando, já que a sua parceria magoada pode perder muito tempo procurando evidências sobre o que deu errado. Em vez de apontar o dedo, tente compartilhar a partir de sua perspectiva sobre como você está se sentindo, que você tem valores fundamentais diferentes ou deseja coisas diferentes da vida. E seja direta, não faça rodeios, para não se perder no discurso. Um exemplo: “Não há uma maneira fácil de fazer isso e dói saber que estou machucando você, mas preciso terminar esse relacionamento.”


O Depois

Fique próxima de seus amigos e familiares para eles darem o apoio necessário. Você vai se sentir sozinha. A companhia deles é fundamental para seguir em frente. Além disso, terapia é essencial durante este período. Se volte para você, para sua saúde física e emocional. E este item vale tanto para quem termina como para quem recebe a notícia do rompimento: priorize-se!


*Texto originalmente publicado para o site da Vogue Brasil.


Comments


bottom of page